Relato do nascimento da Céu



*Por Priscila Figueiredo 
Li muitos relatos e eles foram muito importantes no meu processo de empoderamento. Estou abrindo um pouco nossa intimidade mas não poderia deixar de retribuir pro todo e quem sabe contribuir com o empoderamento de alguma mulher.

RELATO DO NASCIMENTO DA CÉU
Eu pari a Céu acocorada no chão do quarto e eu fui a primeira pessoa a encostar nela, depois de ouvir a parteira dizer “Pega ela, é tua filha”. Segurei minha florzinha ainda toda sem jeito e coloquei no meu colo. E ali ficamos por horas, pois era só isso que nós duas precisávamos: do contato uma da outra.  Um encontro tão desejado. Não tem como lembrar disso e não chorar.  Um choro tão bom, tão suave, tão feliz. Uma lembrança que traz consigo toda uma vivência, todo um processo longo, doloroso de desconstrução, de muitos encontros, relatos e leituras. E que permitiu que hoje eu diga que, com uma gravidez de baixo risco, essa foi a forma mais segura e saudável possível que a Céu poderia ter nascido. Saudável emocionalmente e fisicamente, pois estas dimensões não podem estar separadas. Eu pari como mulheres vem parindo a milhares de anos, porque assim como o sexo, com poucas exceções, nós mulheres não precisamos de mais nada, só amor e respeito à natureza.
A primeira vez que escutei falar sobre parto humanizado foi quando eu e minhas companheiras do coletivo feminista Laudelina nos preparávamos para organizar um seminário de mulheres em 2013. Escutei mulheres falando sobre violência obstétrica e sobre uma “nova” forma de nascer, de parir, de gestar. Um resgate as formas ancestrais de conceber o nascimento. Pouco tempo depois eu engravidei de Cícero e intensifiquei minhas leituras e decidi que queria parir naturalmente, se possível em casa. Não consegui parir Ciço em casa, pari ele no hospital em um nascimento cheio de intervenções, mas um nascimento muito feliz, que me transformou profundamente, me transformou numa pessoa melhor e que acima de tudo me empoderou demais. Quando descobri que estava grávida da Céu, Ciço tinha entre 6 e 7 meses. Eu nem sabia que já estava ovulando, amamentando ainda em livre demanda. Enfim, ficamos surpresos com a notícia. Surpresos de um jeito bom. Sabia que muitas coisas iam mudar, mas não imaginava o quanto essa gestação iria significar uma verdadeira revolução na minha vida, na minha forma de ser e estar no mundo.
Logo que ficamos sabendo que estava grávida, retomamos o contato com pessoas envolvidas com o parto humanizado, com o parto domiciliar, e nosso caminho se encontrou com o de Carla. Fomos para Serra Grande participar de uma roda de gestantes. Conhecemos e encontramos pessoas lindas lá. Chorei muito. Foi muito bom encontrar tanto amor. Continuamos nos conectando, nos sintonizando. A primeira consulta com a Carla, foi meio surreal, ela pegou uma estrada de mais de 200km e veio aqui em casa nos visitar, sentou na minha frente, pegou um caderninho e começou a perguntar sobre a minha vida, sobre minha família, sobre minha mãe, como tinham sido os partos dela, como tinha sido o parto de Ciço, perguntando e anotando com atenção. Me contou sobre a vida dela também. A conversa (consulta?) durou horas. Tanta sensibilidade envolvida.

A distância sempre foi uma preocupação tanto nossa como de Carla, então, foi por isso (e que bom) que a Rita entrou nas nossas vidas. As duas ficariam disponíveis para o parto, o que seria muito importante caso Carla estivesse envolvida com alguma outra gestante. Consultava com a obstetra Mayana em Vitória da Conquista também, para ter uma referência médica mais próxima. Uma pessoa linda também.

Os dias que antecederam o parto foram incríveis. Doze dias antes minha mãe chegou aqui em casa. Já tínhamos comprado e preparado quase tudo para o parto e ela trouxe os últimos chás e ervas que faltavam. Ela veio pra encher ainda mais nossa casa de alegria. Deu muita atenção para o Ciço, babou muito como vó. E pra mim que já estava sentindo muitas dores foi ótimo, pude descansar bastante e me preparar emocionalmente para o parto. Sem falar nas nossas conversas, nas suas palavras tão ricas de sabedoria. Muita admiração e gratidão à mulher linda que ela é. Minha amiga profunda, minha bruxa.

Nós conhecemos a Rita na sexta seguinte. Precisou de poucos minutos na nossa casa pra ficarmos todas e todos encantadas por ela. Rita nos apresentou o Ho’oponopono. Um método de auto cura, e me sugeriu que por mais maravilhoso que tivesse sido o parto de Ciço que seria legal eu trabalhar algumas lembranças que ainda doíam. Me sugeriu escrever cartas para algumas pessoas. E eu fiz, passei os dias seguintes escrevendo uma carta para a médica que havia feito meu prenatal e outra para a equipe médica e médico que haviam acompanhado o parto de Ciço. Cartas escritas com as frases do Ho’oponopono como linha “Sinto muito. Me perdoe. Te amo. Sou grata.” Comentei com Leno que estava gostando de escrever as cartas e acabei fazendo o Ho’oponopono com ele e resolvendo umas questões nossas. Foi tão bom. Ele é um pai e companheiro maravilhoso. Depois de escrever as cartas reescrevi o relato do nascimento de Cícero. Lembro que enquanto escrevia, comentei que a Céu só estava esperando isso pra nascer. E a gente sempre ligadas na lua.

Então, na quarta dia 23/12, eu falei pro Leno que ele precisava descansar pro parto e ele descansou e de noite eu chamei minha mãe e ele para ler as cartas. Nós sentamos na frente de casa, eu li as cartas e depois as queimei. Depois li o novo relato do nascimento de Ciço. Nos abraçamos, eu chorei de felicidade por estar compartilhando sentimentos tão bons. Nós fomos dormir e as 2h, do dia 24/12, acordei sentindo que a bolsa tinha rompido. A gente precisa se sentir, a natureza fala com a gente, nada aconteceu por acaso...

Acordei Leno, nós ligamos para Carla e fomos descansar. Quando ela e Rita chegaram minhas contrações ainda estavam tranquilas e elas foram descansar da viagem. Eu saí para dar uma caminhada pelas ruas do meu bairro. Quando voltei as contrações já vinham um pouco mais fortes. Cícero estava com sono e fui aproveitar para dar um dengo e dei de mamar para ele dormir. Assim, ele participou assim ativamente do nascimento da Céu, pois a partir daquele momento, a ocitocina liberada fez com que tudo começasse a fluir. Isso era lá pelas 10h, ao meio dia minhas dores já estavam intensas e chamei a Rita e a Carla. Dali eu perdi a noção do tempo. Vi elas se movimentando, as coisas do quarto das crianças sendo reajustadas...

Muita gratidão.  O apoio da Liliane que trabalha aqui em casa, o carinho que ela tem com Ciço e conosco. O carinho da Carla, da Rita e do Leno no quarto foi tão importante... Leno sempre me lembrando de me concentrar na respiração, segurando as minhas mãos e Rita e Carla com as palavras de apoio, estímulo e os olhares para eu não sair de mim. Fiquei um tempo apoiada no Leno numa almofadona própria para parir. Mas daquele jeito não tava funcionando. Rita olhou pra mim e perguntou “Tá tudo bem? Tu tá com algum medo?” Eu sentia que sim. Tava com medo. Medo de não ser capaz de parir. Pois por mais que eu tivesse parido Cícero, num parto vaginal, tiveram intervenções que me deixaram insegura quanto a minha capacidade de parir sozinha... Mas não disse nada, respondi que estava tudo bem. Então elas disseram pra gente tentar outra coisa. Rita ficou na minha frente e disse, olhando nos meus olhos, que quando a dor viesse a gente ia abaixar, antes dela terminar a frase eu disse “tá vindo, tá vindo” e abaixei. E a Céu nasceu, caiu em cima do tatame, em cima de um paninho branco. Eu que peguei ela. E Leno já estava atrás de mim nos abraçou. Ela nasceu as 14h e minha mãe chegou meia hora depois, tinha levado Ciço pra passear. A reação dele foi tão linda, tão pura, cheia de admiração e curiosidade.  

Coisas relevantes foram garantidas: ela nasceu num ambiente quentinho, tranquilo e muito amoroso; eu dei de mamar em seguida, garantindo todos os benefícios, para mim e para ela, da amamentação imediata; a placenta saiu e o cordão umbilical foi clampeado pelo Leno no momento certo, após ter parado de pulsar; a Céu ficou toda protegidinha pelo vérnix caseoso, só tomou banho outro dia; não fui cortada, minha recuperação foi muito rápida, ela ficou no meu colo por horas e eu estava no melhor lugar do mundo, na minha casa, com minha família.

No outro dia, Rita e Carla foram embora. Viram que tava tudo bem. Na despedida Carla me disse algo como “Tu conseguiu, viu?!”Foi tão bom ouvir isso. Era verdade. Eu pari, parir é uma dádiva. Todo o apoio as mulheres que queiram parir naturalmente. É uma experiência fantástica, que muda tudo dentro da gente. Quero terminar o relato com a frase do Leno: “Só amor, felicidade e gratidão habitam em nós!!”.

A DOR DO PARTO
Tá mas e a dor Priscila? Cara, eu escutei e li muitos relatos em especial de mulheres que tiveram dois filhos próximos como foi o meu caso. E muitas relataram que foi muito rápido, que não doeu quase nada, que o corpo se lembra etc. O meu parto não foi assim. Nenhum dos dois. Eu senti muita dor. De verdade. Mas eu só lembro disso. Eu lembro mas não sinto a dor de novo. É diferente da dor emocional de, por exemplo, não ser tratada com amor e respeito num momento tão importante. Essa dor sim a gente sente sempre que lembra. Mas essa dor eu não senti. Então, doeu muito fisicamente, mas essa dor só dura durante o trabalho de parto e se eu fosse parir mais 10 vezes, as 10 vezes eu iria querer que fosse assim. Com amor, com carinho, com respeito. E dor?! Essa dor até nos fortalece. O parto termina e tu fica se sentindo uma guerreira. E é. Os benefícios físicos e emocionais do parto natural, humanizado superam a dor.






















Priscila Figueiredo é professora, feminista, mãe e mais um monte de coisa. Compõe o CFLCM.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relacionamento abusivo

É pela vida das mulheres: A Luta pela autonomia feminina e legalização do aborto.

Coletivo Feminista Laudelina Campos de Melo